Contato
Home >> Blog

Olho de cereja em cães: Já ouviu falar nessa doença?

Cão buldog frânces com olho de cereja

Em muitos casos, ao perceber alterações nos olhos tanto de pets quanto de humanos, logo pensamos “é conjuntivite”. Apesar disso, em ambas as situações, é essencial buscar ajuda profissional, até porque há o chamado olho de cereja em cães.

A primeiro momento, essa doença pode gerar confusão. Já que seus primeiros sintomas são basicamente a secreção ocular em excesso ou secura nos olhos e uma pequena bolinha vermelha na parte interna da pálpebra.

O problema do olho de cereja em cachorro está exatamente no fato de ser incomum e se tratar mais do que uma questão estética. Sem o tratamento correto, pode causar grande desconforto na vida do seu animal de estimação e possível piora da infecção.

Portanto, mesmo seu cachorro apresentando ou não esses sinais, aprenda um pouco mais sobre essa doença e esteja preparado caso aconteça. Essa será a primeira medida de precaução a ser tomada.

 

+Veja também Conjuntivite canina: Tratamento e prevenção para a doença!

 

O que é olho de cereja em cães

Cachorro com doença nos olhos Fonte: Lupus Alimentos

O olho de cereja em cachorro, também conhecido por cherry eye, é o prolapso da glândula da terceira pálpebra. Ou seja, é quando a glândula da pálpebra aumenta de tamanho, se projetando para fora e gerando a bolinha vermelha saliente que deu nome à doença.

O risco de adquirir essa enfermidade é a diminuição da proteção ocular. Já que essa estrutura é responsável pela produção de 30% das lágrimas e preservação dos olhos, mantendo longe as sujeiras que cercam o seu pet durante as explorações do ambiente.

O lado quase positivo é que não se trata de um distúrbio silencioso. É perceptível desde os primeiros dias, por meio do famoso inchaço no canto do olho, juntamente com secreção lacrimal em excesso ou olho seco. Sendo assim, na maioria dos casos, é possível buscar auxílio do médico veterinário e tratar rapidamente.



Causas da doença

Para que o seu cachorro desenvolva o olho de cereja, não há muitos fatores determinantes. De modo que é mais comum relacionar a doença à:

  • Genética: uma vez que há raças mais propensas, sendo elas as braquicefálicas. Ou seja, animais que possuem a abertura nasal menor, como por exemplo: Shar Pei, Bulldog, Llasa Apso, Shih Tzu, Pug, entre outros;
  • Agentes externos: espalhados por toda superfície terrestre. Difícil evitar que o seu bicho de estimação entre em contato com poeira, terra e outras sujeiras. Esses que podem adentrar a pálpebra e causar infecções, ocasionando a tal cherry eye. Além disso, há pet que obtém a doença por meio de feridas oculares. Então, esteja atento mesmo aos pequenos machucados.

 

+Veja também Pug: Conheça o temperamento e curiosidades sobre a raça!

 

A propensão em cachorros braquicefálicos acontece devido à ligação da glândula realizada pelo tecido conjuntivo. Nessas raças, há maior flacidez e má formação causando a obstrução e inchaço da pálpebra, provocando seu prolapso.

A partir de então, você como tutor, deve ter em mente que caso haja o aparecimento do olho de cereja em seu cão, não há o que se culpar. Essa é uma enfermidade incomum que atinge alguns pets e o que realmente importa é se atentar.

Sintomas e diagnóstico

Pet com olhos de cereja Fonte: Canal do Pet – iG

Reconhecido e diagnosticado principalmente pelo inchaço da pálpebra. O olho de cereja pode atingir um ou os dois olhos, sendo mais comum o segundo caso. Suas manifestações iniciais são simples e básicas de qualquer outra infecção ocular, apresentando:

  • Excesso da produção de lágrimas;
  • Corrimento de secreção;
  • Olhos secos;
  • Globo ocular avermelhado.

Se o seu bicho de estimação ainda não apresentar o inchaço característico da doença, pode haver a necessidade da realização de exames clínicos. Assim, será analisada a mudança ocorrida, através do teste conjuntivo e da membrana nictitante, conhecida também por terceira pálpebra.

É fundamental ressaltar que esse quadro não gera dor ao animal e, na maioria das vezes, não influencia na visão. Contudo, a demora do tratamento, pode agravar a situação ocasionando um novo tipo de infecção. Além de haver a possibilidade do próprio pet se ferir e comprometer a vista ao tentar esfregar o local que o incomoda.

Outra boa dica para identificar o ressecamento ocular é observar o comportamento do seu cão. Pois não apenas coçar os olhos com a pata, um hábito comum em cães desconfortáveis é esfregar o rosto no chão ou no tapete.

Tratamento e prevenção do olho de cereja

Cão com olhos de cereja Fonte: Canal do Pet – iG

A primeira informação essencial é entender que não há como prevenir o olho de cereja em cães. A glândula é interna ao animal, expressando como possíveis causas a genética e agentes encontrados no ambiente.

Logo, para evitar, seria necessária uma cirurgia antes mesmo de saber se seu pet realmente é propenso ao problema. Ou, quem sabe, deixar seu cachorro longe de tudo que é arriscado.

Mas vamos parando por aí. Pois isso não é ideal nem a uma criança, então quem diria a um pet?

Os animais, mesmo que domesticados, possuem instintos e precisam se aventurar, explorar o mundo e conhecer seus limites. Então não tente tirar deles a grande diversão, já que isso só trará estresse e ansiedade.

Seja um pai de cão que o ensina a aprender sobre o mundo, o faça correr, brincar e farejar. Mesmo que isso gere consequências. O importante é não criar limites nos instintos e buscar os melhores cuidados.

Como tratar olho de cereja em cachorro?

O tratamento do olho de cereja em cães pode assustar muitos tutores. Pois, além do uso de colírio anti-inflamatório e antibiótico para diminuição do inchaço, muitas vezes é preciso realizar a cirurgia.

Anterior ao procedimento cirúrgico, é feita uma decisão: remover ou reposicionar a glândula. Em muitas circunstâncias, o próprio veterinário indica a reposição da membrana nictitante. Isso porque a terceira pálpebra é essencial principalmente durante a velhice, período de baixa produção lacrimal. Outra vantagem desse método são os 80% de chance de sucesso.

Após o tratamento de reposição, basta seguir as recomendações médicas e em breve o seu cachorro estará saudável e feliz novamente. Porém, se optar pela remoção da glândula, saiba que precisará aplicar colírio para lubrificação dos olhos, pelo resto da vida do animal.

Independentemente da escolha tomada, levar o seu pet aos cuidados profissionais sempre será a melhor opção. Então não tente os tratamentos caseiros ou espere que melhore sozinho. O olho de cereja em cachorro ainda pode ser confundindo com outras doenças. Sendo assim, se não há como prevenir, apenas se atente, cuide e dê amor. Esses são os fatores essenciais e mais desejados pelos animais.

 

Por fim, conhece algum tutor de raça propensa ao problema? Que tal compartilhar esse conhecimento e oferecer mais informação aos pais dos pets? Temos certeza que tanto eles quanto os animaizinhos irão se sentir agradecidos por esse pequeno cuidado e demonstração de carinho.

 

S.O.S. CÃOpanheiros

É uma ONG criada em Dezembro/99, CNPJ: 07.661.890/0001-21, com o propósito de acolher cães de rua que estejam em estado crítico de saúde, extremamente debilitados ou em situação de risco.

SAIBA COMO NOS AJUDAR!

Inscreva-se como associado do S.O.S. Cãopanheiros ou pelo telefone (021) 99766-1180. Passe a receber as noticias e contribuir para a ONG, efetuando depósito mensal em uma de nossas contas.