Contato
Home >> Blog

Toxoplasmose: Entenda por que é conhecida como doença do gato!

Gato filhote

A toxoplasmose é uma das doenças consideradas zoonoses, ou seja, pode ser transmitida de animais aos humanos. De modo que tem sido causa de abandonos. Contudo o que poucos não sabem é que apenas 10% a 15% dos felinos está contaminado.

Na realidade, esse problema é causado pelo protozoário Toxoplasma gondii, mas está extremamente relacionado aos gatos, sendo conhecido por “doença dos gatos”. Isso porque são hospedeiros definitivos desse micro-organismo.

Apesar disso, os pets não são a única forma de contágio. Visto que a toxoplasmose pode hospedar humanos e outros animais. Portanto que tal obter as informações corretas e garantir a melhor saúde a você e ao seu bichano? Para tanto, o abandono nunca é uma opção.

 

+Veja também Lipidose hepática felina: Conheça os sintomas e saiba como tratar!

 

Como acontece a infecção

Gato e dono deitados - Toxoplasmose Fonte: Dogs shop

Dependendo do estágio da infecção, o indivíduo pode não apresentar sintomas, manifestar febre ou mesmo adquirir toxoplasmose congênita, ocular e cerebral. No entanto isso só acontece quando o sistema imunológico se encontra enfraquecido, como nos casos de gestantes e recém-nascidos.

A transmissão da toxoplasmose pode ocorrer por meio de três vias, por causa de fezes de gatos e outros felinos, alimentação ou durante a gravidez.



Infecção por via oral

O T.gondii é capaz de se hospedar em humanos e outros animais de forma intermediária por meio do consumo dos seus oocistos. Sendo assim, a infecção por via oral acontece quando há a ingestão de alimentos contaminados, como carne crua ou mal passada.

Além disso, a ingestão de água, verduras, frutas e legumes mal lavados também é uma forma de contágio. Uma vez que infectado por oocistos.

Nessas circunstâncias, o período de incubação, considerado o tempo de contágio ao surgimento dos sintomas, varia de 10 a 23 dias.

Infecção congênita

Em casos de mulheres com o diagnóstico de toxoplasmose, a gravidez pode ser um grande risco. Já que, em 40% das situações, o feto é infectado. Consequentemente, apresentando: prematuridade e anomalias visuais ou neurológicas.

Embora a transmissão seja possível via placentária, não é comum por transfusão de sangue, transplante de órgãos e outros meios.

Infecção por fezes de gatos e outros felinos

Semelhantemente à coccidiose canina, a chamada “doença do gato” tem os felinos como hospedeiros definitivos do protozoário, após o consumo de alimentos contaminados ou de maneira congênita. Dessa forma, o ciclo de vida do parasita decorre inteiramente no intestino do animal, ao se reproduzir e ter oocistos eliminados após 5 a 7 dias da ingestão via oral do pet.

Isso quer dizer que o seu bichano, ao apresentar a doença não irá expelir oocistos continuamente, mas sim apenas uma vez. Em seguida, para se tornar infectante, os ovos do T.gondii encontrados nas fezes necessitam permanecer expostos por 1 a 5 dias, no ambiente.

A partir de então, o contágio se torna resultado da retirada das fezes do pet sem a devida higienização. Havendo o contato da mão com o conteúdo contaminado, seguido pela manipulação de alimentos ou consumo sem a lavagem prévia das mãos.

Diagnóstico da toxoplasmose

Gato brincando - Toxoplasmose Fonte: Unity cianorte

Os sintomas da doença podem não ser identificados facilmente nos felinos e outros seres, dependendo da gravidade e imunidade de cada hospedeiro. Porém, aos gatos, há o teste de sorologia com titulação eficiente à identificação da doença e sua duração. Para tanto, é recomendada a realização a cada semestre ou uma vez ao ano.

Contudo, caso seu pet apresente qualquer modificação comportamental ou fisiológica, leve ao médico veterinário. Em certos quadros, pode haver a manifestação de febre, diarreia, vômitos, tosse e dor muscular.

Após o diagnóstico da toxoplasmose, o profissional poderá indicar antibióticos e demais cuidados.

Prevenção à toxoplasmose

Gato deitado Fonte: Jornal da paraíba

Quando nos referimos à prevenção da toxoplasmose, tratamos de duas coisas: formas de manter o felino saudável e como evitar em nós mesmos. Logo:

  • Mantenha seu bichano dentro de casa e fora da área da cozinha. De modo que ele não se alimente com algo que encontre na rua ou contamine o local, caso infectado;
  • Ofereça apenas ração e comida enlatada própria para seu pet. A ingestão de carnes cruas pode originar a toxoplasmose em seu organismo;
  • Limpe a caixa de areia diariamente com a utilização de luvas. Para evitar toxoplasmose congênita, é importante que gestantes evitem higienizar a caixa;
  • Utilizar luvas também é importante ao mexer no solo, durante a jardinagem;
  • Lave bem frutas, verduras e legumes. Além disso, higienize suas mãos e utensílios após manusear carne crua;
  • Consumir água tratada e/ou fervida.

Por meio do conhecimento das causas e prevenções da toxoplasmose, compreender que você é o principal responsável é essencial. Isso porque os seus hábitos e rotinas podem comprometer a sua saúde, a de seu bichano e a de sua família.

 

O cuidado nunca é demais quando pensamos em todos. Portanto não deixe de compartilhar esse conteúdo a outros pais de felinos. As informações corretas podem evitar abandonos e mortes, proporcionando qualidade de vida e bem-estar a todos.

S.O.S. CÃOpanheiros

É uma ONG criada em Dezembro/99, CNPJ: 07.661.890/0001-21, com o propósito de acolher cães de rua que estejam em estado crítico de saúde, extremamente debilitados ou em situação de risco.

SAIBA COMO NOS AJUDAR!

Inscreva-se como associado do S.O.S. Cãopanheiros ou pelo telefone (021) 99766-1180. Passe a receber as noticias e contribuir para a ONG, efetuando depósito mensal em uma de nossas contas.