Contato
Home >> Blog

Úlcera de córnea canina: Saiba como funciona o tratamento da doença!

Cachorro com úlcera de córnea

Se olhos avermelhados, cisco e conjuntivite já são considerados um grande problema ao animal, úlcera de córnea canina então é um dos piores males que pode acometer a vista do seu pet.

Também conhecida por ceratite ulcerativa, é uma doença que atinge cães e gatos. Sendo comum, já que se trata de lesões ou traumatismos na córnea, camada mais externa do olho que cobre a íris e a pupila.

Uma vez que observado os primeiros sinais de úlcera na córnea, é fundamental a busca pelo médico veterinário para um bom diagnóstico. Pois esse ferimento é classificado de acordo com a gravidade, profundidade e extensão.

 

+Veja também Conjuntivite canina: Tratamento e prevenção para a doença!

 

Sintomas e diagnóstico da doença

Úlcera de córnea em cães Fonte: Doglink

Chamamos de úlcera de córnea em cães a lesão localizada na camada mais externa do globo ocular do cachorro. Alguns fatores que podem levar à essa condição variam de um ferimento superficial provocado durante o banho à uma ferida profunda por trauma ocular.

Além disso, outros agentes responsáveis, podem ser: infecções por vírus, bactérias ou protozoários; deficiência lacrimal; disfunções da pálpebra; e autotraumatismo. Dentro disso, algumas raças são mais propensas, como Shi-Tzu, Pug e Boxer. Isso porque possuem os olhos saltados, facilitando o ressecamento e ferida por objetos.

Apesar disso, independentemente da causa, os sintomas mais comuns da úlcera de córnea são:

  • Dor ocular (blefaroespasmo);
  • Olho azulado;
  • Lacrimejamento excessivo;
  • Muco ocular amarelado ou esverdeado;
  • Piscar constante ou não ser capaz de abrir os olhos;
  • Sensibilidade excessiva à luz;
  • Coceira nos olhos.

Assim que percebido alguma dessas manifestações, a consulta com o profissional será essencial. Visto que seu pet será encaminhado para exames oftalmológicos para o diagnóstico correto da enfermidade e sua gravidade.

Durante esse procedimento, o globo ocular do seu bicho de estimação será analisado completamente. Em alguns casos, sendo necessária a aplicação do teste de fluoresceína. Nele, um colírio com corante, capaz de apresentar as lesões, é inserido na área lesionada.

O diagnóstico realizado pelo médico veterinário é importante para garantir a melhora da saúde do seu cão, evitando a piora do quadro ou até mesmo perda da visão.



Tipos de úlcera de córnea canina

Cão com olho vermelho Fonte: Pet friends

Identificar o tipo de úlcera de córnea canina vai depender da profundidade, gravidade e extensão da lesão. De modo que é classificada em: superficial, indolente, profunda e total (descemetocélio).

Como imaginado, as úlceras superficiais possuem gravidade baixa, manifestando pequena lesão de fácil tratamento. Às vezes, porém uma pequena ferida pode ser mais dolorosa que uma maior.

Dessa forma, no primeiro indício de incômodo ocular, é essencial a ida ao hospital veterinário. Já que um descuido pode ocasionar um agravamento, como a úlcera indolente em que não há cicatrização.

A partir de então essa doença passa a ser mais complexa. Isso porque a úlcera de córnea é considerada profunda quando há maior risco e dificuldade no tratamento, devido à extensão do ferimento. Contudo isso não para por aqui, já que pode ser categorizada como total ou descemetocélio.

Ao entrar no estado total, o seu bicho de estimação estará no quadro mais preocupante. Devido apresentar perfuração na córnea ou mesmo apenas uma camada.

Sabendo-se dos sintomas e níveis de gravidade da úlcera de córnea canina, a prevenção e tratamento apropriados serão precisos para uma boa saúde, bem-estar e qualidade de vida do seu pet. Portanto, essas etapas dependem inteiramente de você, como dono.

Tratamento e prevenção

Cachorro sendo examinado Fonte: Meus animais

O tratamento da úlcera de córnea canina vai depender exclusivamente da responsabilidade do dono do animal, uma vez que a frequência dos colírios ou pomadas prescritos pelo veterinário serão essenciais para a melhora do pet, variando de 6 em 6 horas ou a cada 1 hora. Independente da gravidade da doença, na maioria das vezes a visão do cão é salva.

Em alguns casos de úlcera, os cães deverão tomar analgésicos, antibióticos e anti-inflamatórios. Além de necessitar do uso do colar elisabetano, em 90% das situações, para evitar o autotraumatismo causado pelas coceiras na área lesionada.

Referente à cirurgia, normalmente é realizada apenas para fixação das pálpebras, aos animais que possuem dificuldade de fechar seus olhos completamente.
Após um bom tratamento, as úlceras superficiais melhoram em média de 4 a 7 dias. Enquanto as profundas podem depender de cuidados mais agressivos, com medicamentos mais frequentes e talvez cirurgia, durando em média 30 dias.

Mas se o seu cachorro não apresenta a doença até então, que tal tomar alguns cuidados?

  • Observe os olhos do seu cachorro todos os dias. Perceba se está brilhante, não se encontra avermelhado e não possui secreção;
  • Realize higiene dos olhos diariamente. Utilize gaze e soro fisiológico, este último devendo ser armazenado na geladeira após aberto e descartado após três dias;
  • Perceba se seu animal tem lacrimejado muito, coçado a região ocular, apresentado manchas avermelhadas em volta do olho ou possui dificuldade em abrir os olhos;
  • Leve seu cão com frequência ao médico veterinário. Principalmente se notar alguma mudança comportamental ou fisiológica.

 

Os cuidados com o seu bicho de estimação demandam apenas alguns minutos do seu dia. De modo que esse tempo mínimo manterá seu pet saudável e proporcionará uma vida prolongada.

Portanto, por que não começar esses pequenos gestos de amor e atenção hoje?

S.O.S. CÃOpanheiros

É uma ONG criada em Dezembro/99, CNPJ: 07.661.890/0001-21, com o propósito de acolher cães de rua que estejam em estado crítico de saúde, extremamente debilitados ou em situação de risco.

SAIBA COMO NOS AJUDAR!

Inscreva-se como associado do S.O.S. Cãopanheiros ou pelo telefone (021) 99766-1180. Passe a receber as noticias e contribuir para a ONG, efetuando depósito mensal em uma de nossas contas.