Contato
Home >> Blog

Fratura canina: Cuidados na hora de socorrer um pet ferido!

Cão com fratura

Ao optar por ter um animal de estimação, você deve ter em mente que é o mesmo que cuidar de uma criança. Principalmente quando nos tratamos dos pets de pequeno porte, visto que fratura canina é extremamente comum nesses cãeszinhos.

Os ossos sendo responsáveis pela sustentação do corpo e produção de células sanguíneas, podem sofrer lesões devido aos impactos e desnutrição. De modo que, por vezes, há necessidade de intervenção cirúrgica para um tratamento correto.

Apesar disso, se você tem um pequenino ou deseja ter, não se preocupe. Nesse artigo vamos abordar tudo o que você precisa saber sobre essa questão. Portanto saiba que adquirir um cachorrinho não é sinônimo de problema, mas sim de companheirismo e amor.



Raças propensas à fratura canina

Cachorro brincando Fonte: Dog hero

Na realidade, quando falamos de fratura canina, todas as raças têm uma certa propensão. Contudo cães idosos, filhotes e de pequeno porte são acometidos com maior frequência por esse problema.

A principal causa dessa regularidade se deve à fragilidade de suas estruturas ósseas. Dentre os pequeninos, os casos mais comuns são em: Maltês, Shih Tzu, Poodle, Spitz Alemão, Pequinês, Chihuahua, Yorkshire, Pug e Lhasa Apso.

Sendo assim, se você tem alguma dessas raças, esteja muito mais atento aos sintomas e cuidados necessários.

Principais causas deste problema

Cachorro com luxação de patela Fonte: Droga vet

Não apenas as raças citadas, mas também outros cães saudáveis e de diversos portes precisam de cuidados e atenção. Visto que as causas de fratura canina podem ser:

  • Saltar, em superfícies duras, de grandes ou pequenas alturas, como de sofás e camas. Sendo a última, especificamente, aos cães de pequeno porte;
  • Falta de nutrientes, causando enfraquecimento ósseo;
  • Fortes impactos com porta aberta abruptamente, carros, bicicletas ou mesmo contra outros cães em parques ou praças, durante uma brincadeira;
  • Pisões acidentais em seu animal de estimação;
  • Erguer o pet de forma incorreta, principalmente no caso das crianças;
  • Fraturas anteriores ou tumores ósseos;
  • Guias retráteis são um perigo, na falta de cuidados. Pois, apesar de transmitir liberdade, pode enroscar nas patas e pernas, provocando lesões.

Dessa forma, é essencial a observação e atenção ao seu cão em todos os momentos. Já que a sua desatenção pode originar vários problemas ao seu pet, sendo os ossos que mais fraturam nos cães: o fêmur, a tíbia e a ulna antebraço.

Porém não apenas nossa culpa, certos acidentes acontecem. O que nos leva a precisar dos conhecimentos prévios de precaução e primeiros-socorros.

Como evitar esse tipo de “acidente”

Pessoa cuidando do pet Fonte: Pet cidade

Sabendo que o seu bicho de estimação corre o risco independentemente do local, estando dentro de casa ou durante um passeio rotineiro, a prevenção é a chave para o seu problema.

Os passos para evitar fratura óssea devem começar em casa. O primeiro deles é a inserção de rampas ou escadas para seu pet subir ou descer das camas e sofás. Além disso, ao se deparar com escadas compridas, procure segurar seu cãozinho no colo para subir ou descer.

Uma obrigação que você deve ter consigo e seu cachorro são as caminhadas diárias e realização de exercícios físicos. Isso porque evitará a obesidade e proporcionará diversão, alegria e diminuição de estresse, tédio e ansiedade.

 

+Veja também Atividades físicas para cachorros: Informações sobre o assunto!

 

Como um dos fatores responsáveis por fraturas, podemos indicar a obesidade. Uma condição que promove o ganho de peso e enfraquecimento das musculaturas do animal. Permitindo um maior impacto direto aos ossos.

Se você é o tipo de dono que sempre leva seu cão aos passeios, está de parabéns! Agora só precisa saber os cuidados necessários durante as atividades, que são: utilizar a guia durante passeios em parque ou praças, uma vez que pode ocasionar impactos entre outros bichos de estimação ou brigas com vândalos e cães de rua.

Em seguida, o mantenha longe da rua, de carros ou ciclistas. Logo sempre o tenha seguro.

 

+Veja também Obesidade Canina: Conheça os riscos e saiba como evitar esse problema!

 

Primeiros-socorros em caso de fratura canina e demais cuidados

Pet pequeno com lesão Fonte: Fino faro

Embora você tenha tomado todas as dicas para uma boa prevenção, por vezes, nem mesmo isso protege seu animalzinho de problemas. Portanto não se afobe, conheça os primeiros-socorros.

  • Identifique as manifestações. Normalmente você perceberá que seu cachorro está sentindo dor, possui inchaço local, não consegue apoiar sobre uma das patas, não tem vontade de realizar algumas atividades, uiva, está agressivo ou manca. Dependendo do tipo de fratura, pode estar exposta, visto que é classificada em aberta ou fechada;
  • É necessário colocar focinheira e imobilizar a área lesionada com papelão ou madeira. Em casos de fratura exposta, cubra com um pano limpo. Dessa maneira, ele não tentará te morder e você será capaz de dar um melhor tratamento;
  • Leve-o ao médico veterinário.

Ao ser direcionado ao cuidado com um profissional, seu cachorro receberá medicamentos e analgésicos. Sendo executado um diagnóstico da gravidade por meio de raio-x.

A partir de então, será indicado o melhor tratamento ao seu bichinho de estimação. Podendo variar de imobilização à cirurgia para reposição do osso com o uso de pinos, placas ou fios de aço inox.



Recuperação pós-trauma

Pet deitado Fonte: Pet fisio

Seguido do diagnóstico e tratamento médico veterinário, não fique tão preocupado. Você receberá as devidas recomendações e medicamentos precisos.

Algumas sugestões oferecidas pelo veterinário são referentes ao: modo de higienizar a área lesionada, uso de colar elisabetano, repouso, fisioterapia após a recuperação. Essa que pode variar de acordo com a gravidade da fratura.

Posteriormente ao tratamento e melhoria da saúde do seu pet, não deixe de continuar prevenindo novas fraturas. Já que a lesão anterior pode continuar enfraquecida e trazer mais complicações.

 

No entanto, não apenas em relação aos ossos do seu cão, evite todos os problemas possíveis lendo mais alguns artigos do SOS Cãopanheiros e levando seu animal ao médico veterinário para consultas de rotina.

O profissional será capaz não apenas de tratar uma doença, mas também evitar outras mais. Assim como você é capaz de manter a qualidade de vida e bem-estar do seu “filho”.

S.O.S. CÃOpanheiros

É uma ONG criada em Dezembro/99, CNPJ: 07.661.890/0001-21, com o propósito de acolher cães de rua que estejam em estado crítico de saúde, extremamente debilitados ou em situação de risco.

SAIBA COMO NOS AJUDAR!

Inscreva-se como associado do S.O.S. Cãopanheiros ou pelo telefone (021) 99766-1180. Passe a receber as noticias e contribuir para a ONG, efetuando depósito mensal em uma de nossas contas.